A Amorosa no século XX

Locanda dell'Amorosa - Sinalunga - Siena - Toscana - Itália

Em 14 de outubro de 1932 a Fazenda da Amorosa recebe a visita do Subsecretário de Estado da Itália Arturo Marescalchi durante uma viagem oficial na Valdichiana em que visitou Sinalunga, La Fratta, a Amorosa e Bettolle. O resumo da visita foi publicado em um livro, sem data, cujo título é S. E. Arturo Marescalchi fra i rurali del Chianti e della Val di Chiana, editado pela Cattedra Ambulante di Agricoltura di Siena; reportamos a seguir o trecho que fala sobre a Amorosa:

«A visita na fazenda Amorosa.
Na entrada [Arturo Marescalchi] é recebido pelo proprietário, Marquês Pier Franco Citterio, pelo diretor técnico Emilio Gherardi e por outras personalidades da área. O objetivo desta visita é de inaugurar um aqueduto rural que dará água potável à sede da fazenda e aos seus 15 sítios. O Subsecretário, ao entrar na ampla praça da fazenda, é rodeado pelos agricultores que aclamam e louvam o Duce.
Depois da benedição do aqueduto, S.E.Marescalchi, apertando um botão faz jorrar uma fonte improvisada no meio do pátio entre aplausos entusiasmados da multidão.
S.E. reúne então, ao seu redor, os numerosos agricultores da fazenda e explica para eles a importância de um aqueduto rural, elemento de civilidade e de bem estar para os camponeses dispersos no interior. Ele compara a água ao vinho, dizendo que deste último a Nação traz relevantes vantagens econômicas.
Depois de elogiar a obra do Marquês Citterio, que segue, com cuidados amorosos, o trabalho dos seus agricultores; S.E. sabendo que a casa do Marquês terá em breve um berço, brinda desejando que o futuro bebê possa ver aquelas terras ainda mais ricas e férteis, terras que foram tão bem cuidadas pelo pai e pelos bons homens do campo.
O discurso, inpirado e brilhantíssimo, do Subsecretário recebe um caloroso aplauso. Entre a admiração geral desfila então um carrossel com belas camponesas com características típicas dos hábitos de Siena, cada uma com uma oferta dos produtos da terra. A simpática e genial apresentação provoca aplausos animados. S.E. Marescalchi deixa então o local da fazenda para visitar um magnífico pomar da fazenda, exemplo quase único de fruticultura industrial na província de Siena. Depois de se despedir do proprietário e do agente Gherardi, S.E. entra no carro em direção a Bettolle [...]».

Com o fenômeno do despovoamento das áreas rurais, que aconteceu durante os anos cinquenta-sessenta, também no pequeno burgo, como em muitas outras comunidades rurais, começou o progressivo e inevitável processo de decadência. Nos últimos anos, no entanto, a feliz intuição de unir a atividade agrícola àquela turística permitiu que um lugar tão rico de cultura, de memórias e de sinais do tempo pudesse ser recuperado e protegido com atenção inteligente e cuidados com os mínimos detalhes. Um exemplo de como é possível proteger e ao mesmo tempo valorizar o patrimônio arquitetônico de um território conservando suas características peculiares e permitindo assim, de fazer reviver e dar “vida à história”.

Ariano Guastaldi, Quaderni Sinalunghesi, Ano IX, n. 3 Dezembro 1998