Notícias históricas de 1300

Locanda dell'Amorosa - Sinalunga - Siena - Toscana - Itália

Muito importante foi a presença da Amorosa no grande afresco que celebrava a “batalha de Valdichiana”em 1363 na sala Mappamondo do Palazzo Pubblico de Siena. Interessante não apenas porque mostra o nosso burgo, certamente com muita fantasia, mas principalmente porque atesta a sua característica de castrum - confirmada também sucessivamente por outras notícias - ou seja de vilarejo rodeado por um muro protetor e outras estruturas de defesa. Se não fosse um lugar com características defensivas evidentes, não teria tido espaço em um lugar de caráter estritamente militar, desejado pelo Estado.

Naquele período era ao poder o Monte dos Doze, ou como descrevem os históricos, o pior de todos os governos de Siena. Ele era formado pelos representantes da classe dos pequenos comerciantes e sucedia o governo do Monte dos Nove (da alta burguesia) que governou por mais de setenta anos, cometendo certamente muitos erros, alguns deles que pesavam agora sobre o novo governo, mas que levaram, sem sombra de dúvidas, a um bem estar difuso.

A sucessão dos Nove acontece logo depois da grande peste em 1348 que, favorita depois de dois anos consecutivos de fome duríssima, reduziu a cidade e deixou o condado em condições piedosas. A recuperação econômica aconteceu quase imediatamente, aquela demográfica demorou, mas de qualquer forma foi resolvida com resultados positivos. O problema mais grave, que por sinal foi criado pelo governo anterior e foi um dos motivos da sua desastrada queda, era o sentimento de inexistência do Estado e do sacrifício por um bem comum da parte do povo de Siena, que foi completamente ignorado. O objetivo era um só: enriquecer.

Com esse clima o fenômeno dos mercenários, presente em toda a península, encontrou no território de Siena um terreno muito fértil. Os Doze pensaram que a melhor maneira para manter os mercenários o mais longe possível era pagá-los. Mas depois de pagar a primeira vez, tiveram que pagar uma segunda, e conforme a notícia corria, o problema se tornava cada vez mais difícil de resolver. No início de 1363, a companhia de Breton conhecida como “del Cappello”, que era paga pelo governo de Florença, entrou no território de Siena e concentrou suas ações nos territórios de fronteira, provocando muitos danos. Como Siena praticamente não reagiu o grupo de ataque se posicionou praticamente embaixo dos muros da cidade e essa foi, provavelmente, a ação que desencadeou a reação do Governo que, invés de pagar, dessa vez resolveu preparar um exército.

O capitão da companhia do Cappello, Niccolò da Montefeltro, não levando Siena muito a sério - porque na verdade nunca tinham reagido no passado - ou talvez acreditando demais nas próprias forças, aceitou uma batalha em campo aberto, mas foi derrotado e o fizeram prisioneiro. A ação aconteceu no mês de outubro do mesmo ano e aconteceu entre Sinalunga e Torrita. As crônicas da época narram filas enormes de prisioneiros que, de noite, foram conduzidos dentro dos muros de Asinalonga. Levando em consideração a violência da batalha e sua duração - que teria durado um dia inteiro - os prisioneiros foram certamente levados ao maior castelo das redondezas e, portanto, a batalha, ou pelo menos o final dela, teria acontecido exatamente nos arredores da Amorosa.

Encarregado de celebrar este evento importante, o pintor Lippo Vanni, transmitiu a imagem de uma Valdichiana com uma agricultura rica, muitas casas coloniais com suas hortas, palheiros, árvores de fruta, tudo perfeitamente intacto e limpo, apesar da furiosa batalha, graças a presença tranquilizadora e proteção dos castelos localizados em posições estratégicas ao redor do vale.

A descrição da batalha, embora bem desenhada em um único quadro, é dividida em três partes diferentes com progressão da esquerda para a direita: as tropas com as bandeiras da compagnia del Terzo di Camollia saem da Porta Pispini de Siena, ao lado daquelas de Francesco Orsini que se distinguem pelas listas e por uma rosa (para descrever de modo ainda mais claro a proveniência, um capitão exibe na jaqueta a escrita “S.P.Q.R.”). Na segunda fase, o ataque é guiado pelos comandantes, que exibem o símbolo da rosa dos Orsini e da ala heráldica de Ugo dell'Ala contratado por Siena. Na terceira fase, com uma mudança quase imperceptível, a descrição da derrota da Compagnia del Cappello.